Escolher um local que traga conforto para os donos e para os animais de estimação tem se tornado cada vez mais imprescindível

Chegar em casa depois de um dia corrido e ter alguém te esperando na porta para te encher de lambidas e de amor. Uma cena comum, porque os animais de estimação têm se tornado cada vez mais fundamentais na vida do brasileiro, impactando inclusive em diversas decisões importantes, como a escolha de um futuro lar. Tanto que agora, além de analisar todas as vantagens de adquirir um imóvel, os tutores também têm levado muito em consideração se o local será benéfico para o pet. Afinal, se desfazer de um verdadeiro amigo para trocar de casa está praticamente fora de cogitação.

Segundo um estudo realizado pelo Conselho Federal de Corretores de Imóveis, em média 63% das pessoas têm ou gostariam de ter um pet. Dessa forma, muitos julgam necessário um espaço que seja possível acolher o animal de estimação, tornando esse um fator decisivo na aquisição de um terreno, por exemplo. Isso, porque na maioria dos casos, é essencial para a saúde dos peludos que eles tenham um espaço onde possam brincar e – assim como os humanos – tirar o estresse.

É por este motivo que os bichinhos de estimação podem influenciar – positivamente ou negativamente – na compra de um imóvel. “Em alguns casos o cliente possui mais de um animal, então a casa facilita muito, porque tem como comportar os espaços e confortos necessários. Já para aqueles que optam pelo apartamento, o lugar geralmente é menor e não permite o convívio de muitos animais”, afirma o diretor de Operações da JS, Leucimar Ceron.

De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET), o Brasil possui mais de 139 milhões de animais domésticos, sendo o terceiro país do mundo com maior população bichana. “O mercado de pets tem registado um aumento significativo nos últimos anos e isso exige alguns cuidados para eles. Além dos essenciais, principalmente cães e gatos requerem mais espaço, fazendo com que os donos optem por morar em casas, que oferecem mais conforto aos proprietários e aos animais”, aponta Ceron.

O impacto da pandemia

Durante a pandemia, a pesquisa nacional Radar Pet 2021, realizada em abril deste ano pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), mostrou que 30% dos cães e gatos foram adotados por conta da necessidade de isolamento social. Uma tendência também percebida pela incorporadora JS Empreendimentos, que por conta deste e de inúmeros outros fatores econômicos, tem registrado um crescimento considerável de vendas em seus loteamentos e condomínios horizontais.

Um cenário promissor, que tem levado a empresa a apostar cada vez mais em novos lançamentos, sempre levando em consideração as preferências de consumo da população. “Todos os espaços ofertados em nossos empreendimentos, como áreas verdes, ruas e ambientes coletivos, transmitem conforto e são benéficos para o convívio dos animais, o que pode corroborar para a compra do imóvel. Tanto que muitas incorporadoras, assim como a JS, têm voltado seus olhares para o desenvolvimento de projetos que possuam locais para caminhadas e convívio dos pets”, explica o diretor de Operações.